Ministério do Meio Ambiente MMA
Coordenação         Executora Co-Executores
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social, Urbano e Meio Ambiente
Secretaria de Estado da Agricultura e Política Rural
http://www.epagri.rct-sc.br/ http://www.fatma.sc.gov.br/
PROJETO
ABRANGÊNCIA
COORDENAÇÃO
 
 

Notícias

Esta página visa deixá-lo informado sobre as novidades no projeto Suinocultura Santa Catarina. Maiores informações podem ser obtidas com a Área de Comunicação Empresarial da Embrapa Suínos e Aves, através do telefone 49-442-8555 (ramal 255 ou 357) e e-mails, monalisa@cnpsa.embrapa.br, tscolari@cnpsa.embrapa.br, monica@cnpsa.embrapa.br.

Propriedades da Bacia de Fragosos recebem visita do Secretário Estadual de MA e do Diretor Geral da FATMA

     (Embrapa Suínos e Aves, Concórdia - SC) - Três produtores da comunidade de Barra Fria, localizada no terço superior da Bacia Hidrográfica do Lageado Fragosos, município de Concórdia - SC, uma das bacias que está sendo trabalhada no Projeto Suinocultura Santa Catarina, integrante do Programa Nacional de Meio Ambiente II - PNMA II, receberam ontem, dia 25, a visita do Secretário do Desenvolvimento Social, Urbano e Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina Sérgio Godinho e do Diretor Geral da Fundação de Meio Ambiente - FATMA Jânio Constante. A visita foi acompanhada pela chefia geral da Embrapa Suínos e Aves (Concórdia - SC), unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, bem como pela equipe técnica e coordenação nacional do Projeto Suinocultura SC. O objetivo da visita foi mostrar as intervenções feitas pelo projeto e como elas estão sendo utilizadas pelos produtores.
     A primeira propriedade visitada foi a do produtor de suínos e aves Jairo Pozzo, que recebeu do programa orientações e materiais para a construção de um Biodigestor, o único instalado até o momento na Bacia. Em depoimento para o secretário e para o diretor geral, Jairo Pozzo falou que a viabilização do Biodigestor era um sonho que ele estava concretizando e que isso só foi possível devido ao programa. "O programa forneceu material e orientação técnica e nós, produtores, entramos com a vontade de trabalhar e melhorar nossas propriedades", disse ele. Pozzo também comentou sobre os primeiros resultados das melhorias na propriedade. Já foi possível, segundo ele, economizar 60% do valor gasto em gás. "Ainda não temos as estimativas, mas observamos que a economia chega a mais ou menos isso", explicou Pozzo. O secretário Sérgio Godinho ficou encantado com o trabalho da propriedade e elogiou os proprietários. "É muito importante o cuidado com a propriedade e principalmente o comprometimento da família. Assim vale a pena investir", comentou o secretário. Ele também falou que o Biodigestor, no momento, é um dos caminhos mais viáveis para tratar da questão de dejetos suínos.
     Nas demais propriedades foi possível também conhecer as melhorias e identificá-las, como no caso da granja do produtor Adelar Grigollo, que recebeu melhorias no sistema de manejo de dejetos devido a conversão do sistema de saída dos dejetos da instalação. Antes utilizava-se as canaletas, que eram abertas e não estavam protegidas da chuva, e hoje usam-se tubos de concreto e caixas cobertas na saída dos dejetos. Também nesta propriedade há duas esterqueiras para depósito de dejetos e decantação dos sólidos. A parte mais líquida dos dejetos é bombeada para uma esterqueira pulmão e desta retorna para as canaletas para fazer a lavagem das mesmas. Isto possibilita o reaproveitamento do material e grande economia de água.
     Umas das reivindicações feitas ao secretário estadual do MA, tanto pelos coordenadores do programa quanto pelo diretor geral da FATMA, é que o Governo do Estado invista mais na questão da água, ou seja, que investimentos em sistemas de reaproveitamento de água, como calhas para a reutilização da água da chuva tipo cisternas, sejam prioridades especialmente para que a seca não atinja a região como tantas vezes acontece. "O reaproveitamento de água é muito importante para a região, que tem épocas em que nem mesmo a água dos rios ameniza a situação nas granjas", comentou o produtor Grigollo. "A saída é a utilização da água da chuva, que precisa ser reservada".
     Na propriedade do agricultor Livanor Tibolla a surpresa é grande quando fotos da propriedade antes da intervenção são mostradas. "As intervenções foram também na conversão do sistema de canaletas, além de melhorar a esterqueira e orientação na organização e limpeza da propriedade", comentou o pesquisador Paulo Armando.
     As visitas, para o secretário, mostraram realmente um resultado positivo, que além de beneficiar as propriedades e o ajuste ambiental, favorecem a região e outras famílias. Ele deixou Concórdia com uma imagem positiva do trabalho que vem sendo executado na Bacia de Fragosos pelo Projeto Suinocultura Santa Catarina. "O projeto é de ponta no que diz respeito as questões ambientais e a Embrapa reforça este trabalho, já que é uma empresa referência", comentou.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Secretário Estadual de Meio Ambiente e Diretores da FATMA visitam Embrapa Suínos e Aves

     (Embrapa Suínos e Aves, Concórdia - SC) - Estiveram, na manhã do dia 25, na Embrapa Suínos e Aves (Concórdia - SC), unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Secretário do Desenvolvimento Social, Urbano e Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina Sérgio Godinho, do Diretor Geral da Fundação do Meio Ambiente - FATMA Jânio Constante e do Diretor de Recursos Naturais e Gestão Ambiental João Guilherme Cunha, também da FATMA. Eles participaram de uma reunião de apresentação da Unidade e do trabalho que vem sendo realizado na área de meio ambiente. Eles visitaram também a Unidade Demonstrativa - UD da Embrapa Suínos e Aves, onde conheceram o sistema de criação de suínos em cama sobreposta, o tratamento de dejetos e as demais tecnologias que estão sendo testadas lá. A visita foi acompanhada pelas coordenadoras nacionais do Programa Nacional do Meio Ambiente II - PNMA II, ambas do Ministério do Meio Ambiente, e a equipe técnica do programa.
     Em seguida, ainda no período da manhã, eles seguiram para a Bacia Hidrográfica do Lageado Fragosos, que abrange propriedades do interior do município de Concórdia - SC, local de atuação do Projeto Suinocultura Santa Catarina, integrante do PNMA II.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Teatro de fantoches: instrumento de educação ambiental

     (Embrapa Suínos e Aves, Concórdia - SC) - Imaginação para tratar de assuntos como poluição por dejetos suínos, recuperção de mata ciliar, importância da qualidade de água, entre outros temas ambientais. Esta é a proposta de trabalho da oficina organizada para professores de pré a 4ª série, no último dia 16, na Escola Básica Municipal Anna Zamarchi Coldebela, no Distrito de Santo Antônio, no município de Concórdia - SC.
     O trabalho foi realizado pela estudante Juliane Lima Pedrini, do curso de mestrado em Engenharia Ambiental, da Universidade Federal de Santa Catarina, instituição parceira no Projeto Suinocultura Santa Catarina, integrante do Programa Nacional de Meio Ambiente II - PNMA II. Esta ação faz parte de um dos objetivos do projeto, que é capacitação dos suinocultores em práticas ambientalmente sustentáveis nas bacias em que o programa atua. Umas das organizadoras da atividade foi a pesquisadora Doralice Pedroso-de-Paiva, da Embrapa Suínos e Aves (Concórdia - SC), unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
     Durante todo o dia, seis professoras da escola tiveram discussão de temas ambientais e práticas de execução e de teatro com bonecos. "As professoras primeiramente debatem conceitos, ampliam a discussão e escolhem um tema específico para trabalhar o teatro de fantoches. Somente depois elas partem para a prática, que inclui a confecção dos bonecos e alguns instruções de teatro", explicou Juliane. O tema escolhido para trabalhar foi Dejetos Suínos. "A escolha foi delas, que conhecem bem a realidade dos alunos, maioria filhos de produtores".
      A parceria com a Embrapa na execução desta atividade surgiu porque a UFSC, no curso de Engenharia Ambiental, desenvolveu um projeto de Educação Ambiental nas Escolas, o que auxiliaria a execução do objetivo de capacitação dos suinocultores, sendo que o foco de trabalho seriam os filhos dos produtores. De acordo com Juliane, o projeto trabalha a educação através do teatro porque "é uma linguagem que consegue transmitir qualquer informação, diverte e enriquece as aulas". Para a diretora da escola, Vera Nilse Boscatto, a oficina de teatro, voltada para a educação ambiental, é uma atividade muito produtiva, não somente para a escola, que fornece mais subsídios para seus professores, mas especialmente para os alunos, que conseguem assimilar informações e repassá-las com mais facilidade.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Consórcio Lambari e Projeto Suinocultura SC realizam reunião sobre o TAC

     (Embrapa Suínos e Aves, Concórdia - SC) - Estarão reunidos em Concórdia (SC), nesta semana, dias 24 e 25, representantes do Ministério do Meio Ambiente, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, Urbano e Meio Ambiente e FATMA para discutirem o licenciamento ambiental das propriedades suinícolas no âmbito do Termo de Ajustamento de Conduta - TAC. A organização da reunião é do Consórcio Lambari e equipe estadual do Projeto Suinocultura Santa Catarina, integrante do Programa Nacional de Meio Ambiente - PNMA II, executado pela Embrapa Suínos e Aves (Concórdia - SC), unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
     A primeira reunião está marcada para terça-feira, dia 24, às 13h30, no auditório da Associação Catarinense de Criadores de Suínos, onde participarão a Coordenadora do Componente Gestão Integrada de Ativos Ambientais - Unidade de Coordenação Nacional do PNMA II, Lorene Bastos Lage, e a técnica responsável pelo Projeto Suinocultura Santa Catarina, também da coordenadoria nacional do programa, Ida Brasil, ambas do Ministério do Meio Ambiente, além de lideranças locais e representantes da FATMA.
     A outra reunião acontecerá às 19h, no Hotel Caitá, e contará com a presença do Secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Urbano e Meio Ambiente Sérgio Godinho, o diretor geral da FATMA Jânio Wagner Constante e o diretor de Controle da Poluição Luiz Antônio Garcia Corrêa. A pauta inclui a apresentação dos resultados e encaminhamentos sobre licenciamento ambiental no âmbito do TAC, que será feita pelo secretário executivo do Consórcio Lambari, e a apresentação sobre a situação do Projeto Suinocultura SC, a ser feita pelo coordenador técnico do projeto, o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves Paulo Armando de Oliveira. Nesta apresentação o pesquisador abordará as ações em curso, as propostas de adequação ambiental nas propriedades, destacando a situação pré-existente e os ganhos decorrentes das intervenções do projeto.
     No dia 25, Quarta-feira, durante todo o dia, estão marcadas visitas nas propriedades localizadas na Bacia do Lageado dos Fragosos, uma das bacias hidrográficas de atuação do projeto.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Parceria na conscientização sobre o tema Mata ciliar

     (Embrapa Suínos e Aves, Concórdia - SC) - Trabalhar a recuperação da mata ciliar na região de atuação do Projeto Suinocultura Santa Catarina, integrante do Programa Nacional de Meio Ambiente II - PNMA II, requer mais que uma ação pontual de plantio. Requer também ações de conscientização. É isto que o objetivo de "Promoção da recuperação de matas ciliares degradadas pela suinocultura", tem planejado trabalhar. A Embrapa Suínos e Aves (Concórdia - SC), unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, executora do projeto, tem buscado parcerias para ampliar e diversificar as ações de sensibilização das comunidades das microbacias onde está atuando.
     Uma destas parcerias aconteceu na última segunda-feira, dia 16, na Escola Básica Municipal Anna Zamarchi Coldebella, no Distrito de Santo Antônio, município de Concórdia - SC. Integrantes do Centro de Divulgação Ambiental - CDA, do Consórcio da Usina Hidrelétrica de Itá, apresentaram uma palestra sobre "Faixa Ciliar", abordando o tema de maneira a conscientizar e informar os alunos de 7ª e 8ª séries, num total de 66 estudantes. A palestra serviu para abrir caminho para a próxima ação, que será o plantio de mudas em uma propriedade da comunidade, no próximo dia 20, sexta-feira, pela manhã. Os alunos farão o plantio, orientados pela pesquisadora Doralice Pedroso-de-Paiva, que coordena o objetivo de Recuperação, e técnicos do projeto. Esta ação também conta com a parceria da Fundação Municipal de Meio Ambiente, a FUMDEMA, que fornecerá o transporte aos alunos e participará ativamente na ação de plantio.
     De acordo com a diretora Vera Nilse Boscatto, a atividade proposta pelo Projeto Suinocultura Santa Catarina foi aceita sem reservas pela escola e pelos alunos. "É uma ação extremamente positiva e que motiva os alunos', comentou Vera. Além de motivadora, a ação é importante a longo prazo, pois a maioria dos alunos da escola, cerca de 90%, são filhos de produtores que trabalham com suinocultura e fazem parte da bacia hidrográfica do Lageado dos Fragosos, uma das áreas trabalhadas no projeto. "Eles levarão para casa os conceitos que aprenderam aqui, com técnicos e pesquisadores da Embrapa, tornando-se assim multiplicadores conscientes", finalizou a diretora.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Diretoria da Associação da Bacia Fragosos e Coordenação Técnica do PNMA II realizam reunião mensal

     Realizou-se ontem, dia 15, às 20h, no Centro Comunitário de Engenho Velho, interior de Concórdia - SC, a reunião mensal da Diretoria da Associação da Bacia do Rio Fragosos e Coordenação Técnica do Projeto Suinocultura SC - PNMA II, programa executado pela Embrapa Suínos e Aves, unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
     Um dos assuntos em pauta foi a utilização dos equipamentos entregues a diretoria pelo programa, que foram dois distribuidores de esterco sólido e quatro bombas para distribuição de dejeto líquido. Segundo o pesquisador Paulo Armando, coordenador técnico do programa, o objetivo do programa com a entrega das bombas é reduzir os custos de distribuição e incentivar o uso dos dejetos como fertilizante orgânico.
     A pesquisadora Doralice apresentou para a diretoria da associação a proposição do projeto em relação a recuperação da mata ciliar. Também, aproveitando a reunião, foi distribuído folders sobre compostagem de animais mortos. Outro assunto da reunião foi a apresentação das atividades mensais da atual diretoria e a posse da nova, que deverá acontecer em junho deste ano. Finalizando os assuntos da reunião, a coordenação técnica solicitou a diretoria que apontasse assuntos importantes para serem tratados em forma de cursos, palestras ou que o programa pode contribuir na questão da sustentabilidade ambiental.
     A Associação e a Executora
     A Associação dos Moradores da Bacia do Rio Fragosos, bem como a da Bacia do Rio Coruja/Bonito, de Braço do Norte - SC, foi criada com a finalidade de integrar os produtores da Bacia ao Programa Suinocultura Santa Catarina - PNMA II. A realização das reuniões mensais, de acordo com o pesquisador Paulo Armando, é o momento em que produtores e executora, que é a Embrapa Suínos e Aves, tem para discutir, conversar e analisar os problemas e andamentos das ações do projeto. "É muito importante que a Embrapa, como executora, esteja sempre presente para ouvir os produtores, saber quais são as dificuldades e suas reivindicações. Assim, fica mais fácil e eficiente planejar e propor ações e tecnologias adequadas as necessidades da Bacia e das propriedades", finaliza o pesquisador.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Coordenação do projeto e FATMA visitam propriedades críticas do Lajeado dos Fragosos

     Após a conclusão dos Projetos Técnicos Individuais das propriedades do terço superior do Lajeado dos Fragosos, foram identificadas 8 propriedades com situação ambiental considerada crítica, em desacordo com o Código Sanitário e com o Código Florestal. A Coordenação do Projeto Suinocultura Santa Catarina – PNMA II contactou a FATMA, entidade parceira do projeto, para que se realizassem visitas “in loco” para verificação das ações que poderiam ser implementadas nestas propriedades com relação aos tipos de intervenções. Estas medidas visam o encaminhamento destas propriedades para o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta.

Mônica Stecanella

[topo]

Unidades demonstrativas são instaladas a campo

     O Projeto Suinocultura Santa Catarina trabalha a questão da despoluição das águas nas bacias dos rios Coruja/Bonito, município de Braço do Norte, e do Lajeado dos Fragosos, município de Concórdia. Estas regiões foram escolhidas para o projeto devido a grande concentração de propriedades suinícolas e por serem consideradas modelos típicos da suinocultura implantada no Estado. ntretanto verificou-se que muitas das propriedades apresentavam irregularidades quanto a legislação sanitária e ambiental, essas irregularidades ocorrem pois até o ano de 1986 não havia legislação vigente para a atividade. A falta de locais apropriados para o depósito dos dejetos e a falta de proteção arbórea nas margens dos rios vem a aumentar o impacto ambiental. Pensando em criar um modelo de propriedade produtora de suínos o Projeto Suinocultura Santa Catarina visa através de intervenções a campo, melhorar as condições das pocilgas, reavaliar o sistema hidráulico, melhorar a densidade dos dejetos, incentivar a utilização adequada dos dejetos na adubação do solo, recuperar a mata ciliar, capacitar os produtores, visando tornar as propriedades sustentáveis.
     Além de regularizar a atividade suinícola, o projeto está implantando unidades demonstrativas para a produção de biogás, de cama sobreposta para produção de suínos e sistemas de compostagem de dejetos.
     A unidade de compostagem com dimensão de 300 m2 está sendo instalada no município de Concórdia, terço superior da Bacia do Lajeado dos Fragosos, na propriedade do Sr. Jacinto Secchi. O dejeto produzido nas pocilgas vai para as esterqueiras e após o tempo de maturação é conduzido por tubulações para a plataforma de compostagem, onde é incorporada a um substrato (maravalha, serragem, restos de culturas, etc) e entra em processo de compostagem. Este sistema favorece o manejo dos resíduos podendo ser expostado para outras áreas com deficit de nutrientes.
     Os sistemas de camas sobrepostas consistem na produção de suínos não em piso compacto, mas sim sobre um leito de maravalha ou serragem. Este sistema contribui para a redução de odores e permite o manejo dos dejetos em fase sólida. A cama deve ter cerca de 50 cm de espessura variando de acordo com a região a ser implantada, utilizando-se diferentes substratos como por exemplo: palha de arroz, serragens, maravalha entre outras matérias secas. Esta tecnologia está sendo implantada em duas propriedades na Cidade de Braço do Norte, no terço superior da Bacia do Rio Coruja/Bonito, uma na propriedade do Sr. Lauro Philippi, e outra unidade na propriedade do Sr. José Heidemann.
     Dois biodigestores estão sendo instaladores pelo projeto no Estado. Na Cidade de Concórdia uma unidade produtora de energia térmica através de biogás, está sendo instalada na propriedade do Sr. Jairo Pozzo. Este gás é produzido a partir do armazenamento dos dejetos em um ambiente sem a presença de ar. A base para o biodigestor são esterqueiras revestidas e cobertas com vinimantas de PVC específicas para a função. O biogás produzido será encanado até o aviário do produtor onde vai gerar a calefação do local, substituindo o atual sistema lenha/gás. A capacidade de produção de biogás na propriedade equivale a um butijão gás/dia. Em Braço do Norte esta tecnologia irá produzir o biogás a fim de gerar a energia elétrica na propriedade do Sr. Sidnei Woss, reaproveitando o dejeto, produzindo energia e diminuindo o consumo de energia gasto através da rede pública municipal, agregando valor para o produtor. Será instalado na propriedade um gerador de eletricidade capaz de gerar 25 Kwh, o consumo estimado nesta propriedade em hora de pico é calculado em 28Kwh. A implantação dessas unidades demonstrativas em campo visam mostrar aos demais produtores de suínos diferentes alternativas de criação, e reaproveitamento de dejetos das pocilgas.

Deizy Marcon

[topo]

Mata ciliar reflete na qualidade ambiental das propriedades

     Durante um longo tempo a sociedade explorou as áreas de vegetação acreditando que isso seria uma consequência natural do desenvolvimento eliminando as áreas verdes através de roçadas e queimadas, acreditava-se estar preparando o solo para o plantio. Deste descaso com a preservação das florestas em áreas críticas (margens dos rios, nascentes e morros), acabou decorrendo o atual estado de erosão do solo responsável em grande parte pela condução de materiais poluentes aos corpos d´água. A restauração das faixas de mata ciliar é algo estratégico para a recuperação das águas e do solo. Pensando nisso, o Projeto Suinocultura Santa Catarina está trabalhando dentro da Meta de "Promoção da recuperação de áreas de preservação permanente degradadas pela suinocultura" , sob a coordenação da pesquisadora da Embrapa, Dra. Doralice Pedroso de Paiva, a fim de recriar as áreas de preservação degradadas nas margens das bacias dos Rios Coruja/Bonito em Braço do Norte, e do Lajeado dos Fragosos na cidade de Concórdia.
     De acordo com a Legislação Ambiental, as áreas de preservação nas margens dos rios com largura até 10 metros, deve atingir no mínimo 30 metros de largura. Segundo o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta (TAC), o produtor terá o prazo de 24 meses a partir da concessão da licença a ser expedida pela FATMA, para realizar o plantio de árvores nativas nos primeiros 10 metros de faixa ciliar. Na segunda faixa, que atinge dos 10 aos 30 metros da margem, a orientação do projeto é promover a recuperação através de agroflorestas. O objetivo do uso de agroflorestas é a recuperação do sistema de mata ciliar em um prazo estipulado e não a perpetuação do uso produtivo, pois no TAC do Projeto o produtor terá até 60 meses para o aproveitamento da área, depois deste tempo o espaço deve retornar à sua função ambiente e a vegetação deve se encontrar num estado avançado de recuperação.
     Na recuperação da mata ciliar, a biodiversidade destas áreas deve ser adotada desde o princípio, a fim de se obter ao final do trabalho, uma mata composta com espécies mistas. Por isso, deve-se evitar o plantio de monoculturas florestais de ciclo longo; como a da erva mate ou a citricultura. Deve ser evitado, da mesma forma, o cultivo de plantas que necessitem a aplicação de elevadas doses de adubos orgânicos, pois a proximidade das áreas ciliares com os cursos d´água, aumenta a possibilidade de contaminação. A atenção deve ser tomada, ao redor de nascentes dentro das propriedades, neste caso a área de preservação deve atingir os 20 metros ao seu redor, fazendo a proteção através do plantio de espécies nativas.
     Mesmo que este desmatamento tenho sido realizado por um antigo proprietário das terras, ou que isto tenha ocorrido em um período anterior à implantação da Legislação Ambiental, o atual proprietário rural passa a ser o responsável por este ativo ambiental (dívida), e o estado de conservação das áreas de mata ciliar dentro das propriedades faz com que as mesmas aumentem ou diminuam seu valor econômico, por esta razão, os recursos aplicados nestas áreas se classificam como benfeitorias/patrimônios.

Deizy Marcon

[topo]

Assinado Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta

     Foi assinado no dia 08 de dezembro, em Florianópolis, o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta (TAC) entre o Ministério Público e o Projeto Suinocultura Santa Catarina. O documento visa favorecer o licenciamento ambiental da atividade suinícola nas bacias hidrográficas do Lajeado dos Fragosos, município de Concórdia e do Rio Coruja/Bonito, em Braço do Norte. Considerando-se a relevância econômica e social da atividade suinícola e sua concentração em pequenas propriedades, o TAC apresenta-se como um instrumento que contribuirá para a legalização da atividade nas propriedades.
     Segundo os técnicos responsáveis pelas bacias selecionadas, na primeira fase do projeto das 45 propriedades que estão sofrendo intervenções, 30 no município de Concórdia e 15 em Braço do Norte, apenas 12 são passíveis de licenciamento, nove no município de Concórdia e três em Braço do Norte. As demais deverão ser submetidas ao TAC, onde os produtores terão o prazo de três meses, a contar da assinatura do termo, para buscar junto a FATMA, o licenciamento ambiental. O TAC visa contribuir para a melhora da qualidade ambiental nas bacias selecionadas, com enfoque no recurso "água", por meio da adequação das atividades da suinocultura, pela adoção de tecnologias e práticas de manejo dos dejetos ambientalmente adequadas, além do isolamento e recuperação das Áreas de Preservação Permanente (APP) nas margens dos rios e ao redor de nascentes. Nas APPs, nos primeiros 10 metros das margens dos rios de até 10 metros de largura e 20 metros ao redor de nascentes, a mata deverá ser recomposta a partir do plantio de espécies nativas, com o prazo de 24 meses. Na faixa complementar de 20 metros da beira do rio, em cada propriedade, deverá ser feito um planejamento específico de recuperação através do plantio de espécies nativas ou de agroflorestas num prazo de 60 meses.
     Em Concórdia, a assinatura da adesão dos produtores se deu em reunião no final de Janeiro e em Braço do Norte, o termo de adesão será assinado individualmente nas propriedades integrantes do projeto. Os primeiros licenciamentos referentes a atividade suinícola das duas bacias já foram encaminhados. Após o prazo pré definido para as adequações, a FATMA terá dois meses para a realização da vistoria nas propriedades, viabilizando o licenciamento que terá validade por dois anos, podendo ser renovado, até a adequação definitiva da atividade à legislação ambiental e sanitária. Após a obtenção da licença ambiental, se o produtor desejar ampliar o número de animais ou fazer qualquer modificação nas instalações, deverá ter o cuidado de fazê-lo obedecendo os códigos florestal e sanitário, sob pena do não cumprimento acarretar a perda da licença.
     A Unidade de Coordenação Estadual do PNMA II, a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social, Urbano e Meio Ambiente, é responsável através da Embrapa Suínos e Aves pela assessoria técnica para elaboração dos projetos técnicos junto aos produtores. As ações do projeto visam diminuir o problema da poluição por dejetos de suínos nas bacias selecionadas e implantar um modelo que possa ser replicado para as demais regiões do Estado.

Deizy Marcon

[topo]

Hidrômetros avaliam o consumo de água

     Com o objetivo de avaliar o consumo da água na atividade suinícola, o Projeto Suinocultura Santa Catarina instalou hidrômetros nas propriedades. Com isso pretende-se reduzir a quantidade dos recursos hídricos utilizados e consequentemente melhorar a densidade dos dejetos nas esterqueiras. Com a medição do consumo, os técnicos do projeto poderão orientar os produtores no uso correto da água nas propriedades.
      Bebedouros mal instalados, vazamentos na rede hidráulica e o uso excessivo da água na higienização das instalações são as atividades que mais colaboram para o desperdício da água. As intervenções nesta área englobam a substituição dos bebedouros convencionais por bebedouros mais eficientes no uso da água, readequação da rede hidráulica, acabando assim com os vazamentos, cobertura das canaletas de transportes de dejetos, instalação de calhas nos telhados, e conscientização do produtor quanto a periodicidade e modo de lavagem das pocilgas.
     Segundo o pesquisador Julio Cesar P. Palhares, responsável pela meta B do projeto, o objetivo é estar se reduzindo em até 30% o desperdício de água nas propriedades. "O uso excessivo de água vem a refletir negativamente no meio ambiente , aumentando o volume dos dejetos e tornando-os menos densos , reduzindo assim sua qualidade como adubo orgânico e aumentando o custo com transporte e distribuição".

Deizy Marcon

[topo]

Intervenções visam licenciar propriedades

     Foi assinado o termo aditivo liberando os recursos financeiros para a primeira fase do Projeto Suinocultura Santa Catarina, ação integrante do Programa Nacional do Meio Ambiente - PNMA II, programa que tem a coordenação nacional do Ministério do Meio Ambiente. O projeto é coordenado no Estado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, Urbano e Meio Ambiente e executado pela Embrapa Suínos e Aves, com co-execução da Epagri, FATMA e Secretaria de Estado da Agricultura e Política Rural, e abrange duas cidades catarinenses, Concórdia, no oeste, e o município de Braço do Norte, no sul, trabalhando com o tema "Controle da Degradação Ambiental Decorrente da Suinocultura em Santa Catarina". Os recursos para investimentos são provenientes de um empréstimo obtido pelo Governo Federal junto ao Banco Mundial.
     De acordo com o Coordenador Técnico do Projeto, Paulo Armando Vitória de Oliveira, no município de Concórdia vão ser atendidas nesta primeira fase 30 propriedades produtoras de suínos localizadas no terço superior da Bacia do Lajeado dos Fragosos, e 15 propriedades na Bacia do Rio Coruja/Bonito em Braço do Norte. As intervenções já estão sendo realizadas visando melhorar a qualidade ambiental das propriedades com previsão de término em julho de 2004, quando se encerra a primeira fase do projeto. Os recursos investidos nas propriedades são para ações como construção de sistemas de produção de suínos em cama sobreposta, esterqueiras, biodigestores, plataforma de compostagem, readequação da rede hidráulica nas propriedades, capacitação de produtores, monitoramento do solo e água, entrega de equipamentos para transporte e distribuição de dejetos, assim como reposição e preservação da mata ciliar.
      Quanto a implantação de tecnologias em propriedades suinícolas, se prevê a instalação de unidades demonstrativas. No terço superior da Bacia do Lajeado dos Fragosos, se prevê a construção de um biodigestor e utilização do biogás para aquecimento de aviário, e uma unidade para compostagem de dejetos. No terço superior da bacia do Rio Coruja/Bonito se prevê a instalação de dois sistemas de cama sobreposta para criação de suínos, além da instalação de um biodigestor para geração de energia elétrica.

Deizy Marcon

[topo]

Produtores visitam Centro Ecológico

     Técnicos do Programa Suinocultura Santa Catarina estiveram acompanhando no mês de setembro produtores moradores da Bacia do Lajeado dos Fragosos - Concórdia, e em novembro do Rio Coruja/Bonito - Braço do Norte, em viagem à cidade de Ipê - RS. Os produtores visitaram o Centro Ecológico a fim de conhecer o projeto sobre agroecologia e experiências sobre associativismo. As viagens foram organizadas pelo coordenador responsável pela meta de capacitação de produtores (meta A) do projeto, Nelso Figueiró (Epagri). A meta A engloba a questão da capacitação de produtores em práticas ambientalmente sustentáveis.
      O centro visitado é uma organização não governamental que busca dar assessoria e incentivar a prática do plantio de produtos sem o uso de defensivos agrícolas. Fundado na década de 80, o Centro Ecológico surgiu devido a preocupação com o grande número de intoxicação de agricultores e a constatação de taxas elevadas de nascimentos de filhos de produtores com má formação congênita devido aos produtos químicos utilizados nas lavouras. Na região de Ipê era grande o número de famílias que trabalhavam com plantações de fumo e tinham grande contato com o uso de defensivos altamente tóxicos.
     Durante as visitas os agricultores participaram de palestra com o engenheiro Agrônomo, Luis Carlos Rupp, o ambientalista tratou da questão dos malefícios do uso de defensivos, apresentou alternativas para controles de pragas nas lavouras, organização de cooperativas de produtores agroecológicos, técnicas de comercialização de produtos, vantagens e desvantagens das alternativas. Segundo o agrônomo, a alternativa pode ser encarada como uma nova opção de renda nas propriedades. No retorno das viagens técnicos do Projeto Suinocultura e agricultores tiveram uma conversa sobre o aproveitamento da mesma, discutindo aspectos referentes a avaliação e validade da ação. O objetivo das viagens foi motivar os produtores da bacia do Lajeado dos Fragosos e do Rio Coruja/Bonito na organização das associações, na questão da importância do trabalho integrado para convivência e ganho na sociedade.

Deizy Marcon

[topo]

Termo de ajuste de conduta é discutido com promotoria estadual

     A Coordenação Estadual e executores do Projeto Suinocultura Santa Catarina estiveram reunidos em audiência com a promotoria Estadual representada pelo promotor Alexandre Herculano de Abreu, no Forúm da Comarca de Braço do Norte. O objetivo da sessão foi apresentar um modelo de proposta para regulamentação ambiental das atividades suinícolas. O termo de Ajuste de Conduta (TAC) que está em discussão deve estar norteando as intervenções nas propriedades. A proposta levantada pela promotoria é desenvolver um Termo de Ajuste geral, anexando no documento o nome das propriedades a receberem licenciamento, e um modelo de plano de viabilização.
     Com a aprovação do TAC o produtor assume o compromisso com a FATMA em estar adequando as irregularidades em um prazo pré-estabelecido, recebendo durante este tempo uma licença ambiental provisória. Após a mudança da legislação no ano de 1986 passou-se a exigir um comprometimento maior do produtor com o destino dos dejetos. A preservação da mata ciliar ,a adequação das pocilgas e a construção de esterqueiras passou a ser o foco principal de fiscalização do Código Florestal e do Código Sanitário. Em virtude disso as propriedades que apresentam problemas ambientais devem ser adequadas a lei, podendo o não comprimento resultar no fechamento da atividade suinícola. A realidade hoje da atividade suinícola no Estado apresenta cerca de 92% delas inadequadas, apresentando problemas relativos ao meio ambiente.
     Ação integrante do Programa Nacional do Meio Ambiente - PNMA II, o Projeto Suinocultura Santa Catarina trata do tema " Degradação Ambiental Decorrente da Suinocultura em Santa Catarina" e abrange as Bacias Hidrográficas do Lajeado dos Fragosos, em Concórdia, e do Rio Coruja/Bonito em Braço do Norte, com ações que visam diminuir o impacto ambiental da atividade. O projeto tem a execução da Embrapa Suínos e Aves, Epagri, Fatma e Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e da Agricultura e conta com a parceria de Universidades, prefeituras, instituições, agroindústrias e sindicatos rurais.

Deizy Marcon

[topo]

PNMA II é assunto de coletiva hoje, na EFAPI 2003

     A Embrapa Suínos e Aves, unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, está envolvida em diversos projetos de cunho ambiental. Um destes projetos é Programa Nacional de Meio Ambiente II - PNMA II, que tem como enfoque o "Controle da Degradação Ambiental Decorrente da Suinocultura". O projeto é do Ministério do Meio Ambiente, com financiamento do Banco Mundial, coordenado em Santa Catarina pela Secretaria do Desenvolvimento Social, Urbano e Meio Ambiente de Santa Catarina e execução da Embrapa Suínos e Aves.
    O PNMA II pretende se transformar num exemplo de sucesso na recuperação ambiental de regiões que possuem produção intensiva de suínos, caso do Oeste e do Sul de Santa Catarina, nas Bacias Hidrográficas de Lageado dos Fragosos e Coruja/Bonito respectivamente, regiões que estão recebendo investimentos do programa. O que diferencia este programa é o foco que ele tem, ou seja, sua finalidade são as intervenções tecnológicas nas propriedades com vistas a recuperação e preservação da qualidade ambiental e não apenas diagnosticar e propor modelos de gestão ambiental.

Coletiva de Imprensa
Com a intenção de expor sobre o que é o programa, o andamento dos trabalhos e como ele é executado, a Embrapa Suínos e Aves está organizando para a tarde do dia 06, às 15h00, no Pavilhão 3 da EFAPI, em Chapecó, uma entrevista coletiva com a participação do coordenador técnico do programa o pesquisador Paulo Armando de Oliveira. A entrevista será no estande da Unidade.

Maiores informações
Monalisa Leal Pereira
Jornalista - MTb-SC - 01139
Fone: (49) 442.8555
monalisa@cnpsa.embrapa.br

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

PNMA II inicia fase de intervenções

     Este ano será marcado por intenso trabalho de campo no que diz respeito ao Programa Nacional de Meio Ambiente II - PNMA II. De acordo com o coordenador técnico do programa, o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Paulo Armando de Oliveira, a Fase 1 do projeto foi prorrogada até julho de 2004 e a previsão de trabalho para este período é o de implementação das propostas tecnológicas nas propriedades. "A primeira etapa do programa foi a de organização, de elaboração de propostas e ajustamento delas. Agora é hora da ação", comentou Paulo Armando.
     As primeiras ações acontecem nos meses de agosto e setembro, quando terá início o check list das propriedades que estão localizadas ao longo das Bacias Hidrográficas do Lajeado dos Fragosos, no município de Concórdia, e do Coruja/Bonito, no município de Braço do Norte, ambas em Santa Catarina. "Aplicaremos este check list para conferirmos se está tudo pronto para iniciar as intervenções propostas para cada propriedade", explicou Paulo Armando.
     Em seguida as intervenções iniciam de fato, sempre seguindo da nascente das bacias para a foz. No total serão 36 propriedades na região de Concórdia e 18 em Braço do Norte. "O objetivo é tornar as propriedades passíveis de licenciamento ambiental, promovendo a melhora do ativo água", comentou Paulo. Para as propriedades que não estiveram prontas para receber o licenciamento será feito um Termo de Ajuste de Conduta por Propriedade. "Este termo somente será feito se o TAC proposto pelo Consórcio Lambari ainda não estiver regulamentado", finalizou o pesquisador.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Controle da degradação ambiental decorrente da suinocultura em Santa Catarina - PNMA II

   O PNMA II - Programa Nacional do Meio Ambiente II é um Programa de Governo conduzido pelo Ministério do Meio Ambiente - MMA, financiado através de um Acordo de Empréstimo entre o Governo Brasileiro e o Banco Mundial (BIRD). O PNMA II financia, através do Componente "Gestão Integrada de Ativos Ambientais", o Projeto "Controle da Degradação Ambiental Decorrente da Suinocultura em Santa Catarina" que tem a duração de 33 meses e iniciou em abril de 2002. Está sendo executado nas bacias hidrográficas dos Fragosos, no município de Concórdia (Oeste do Estado), e do Coruja/Bonito, no município de Braço do Norte (Sul do Estado). Essas áreas foram selecionadas por apresentarem grandes concentrações e serem representativas da produção de suínos no Estado. Além disso, nessas regiões estão situados os complexos agro-industriais. As bacias foram escolhidas por serem áreas que possuem informações e diagnósticos prévios necessários para o detalhamento do projeto.
   O objetivo desse projeto é melhorar a qualidade ambiental nas bacias selecionadas, especialmente a qualidade dos recursos hídricos (água), através da redução de focos de contaminação por dejetos de suínos e adequação das atividades de suinocultura com a adoção de práticas ambientalmente corretas, consorciadas ou comunitárias, sem comprometer a atuação desse setor produtivo.
   A coordenação nacional do programa está diretamente vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, através da Unidade de Coordenação Nacional - UCN. Em Santa Catarina, a coordenação está vinculada diretamente à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente, através da Unidade de Coordenação Estadual - UCE.

   Estratégia geral do projeto

   Implantar um modelo de gestão ambiental para as propriedades produtoras de suínos, baseado em uma readequação completa do atual modelo de criação de suínos, que vai desde os sistemas de produção e manejo utilizados até os sistemas de tratamento e disposição final de dejetos no solo.

   Resultados esperados

   Segundo Paulo Armando de Oliveira, pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, coordenador do Programa em nível da Embrapa Suínos e Aves, "o resultado esperado é a redução dos atuais níveis de degradação ambiental das áreas selecionadas, propiciando melhoria significativa da qualidade de vida dos pequenos e médios produtores catarinenses e da comunidade local que depende da manutenção dos recursos naturais da região".
   Esse projeto deverá desenvolver um modelo a ser irradiado para outras regiões do Estado que apresentem a mesma problemática, constituindo-se em um passo de grande importância para o equacionamento dessa questão ambiental que atinge o Estado de Santa Catarina.
   "A participação do suinocultor - esclarece o pesquisador - será fundamental para o sucesso do projeto, pois a implementação de qualquer intervenção tecnológica prevista só será executada com a sua aprovação e participação efetiva nas associações que serão formadas nas microbacias". As intervenções nas propriedades serão efetivadas sempre através das associações como o grande instrumento de acompanhamento e gerenciamento para o alcance dos objetivos propostos.

   As atividades foram classificadas em três categorias: base, intervenções e monitoramento.
   - base: gerenciamento do projeto, estruturação das instituições envolvidas, formação das associações de produtores, treinamento de produtores e identificação da situação ambiental das propriedades;
   - intervenções: melhoria na qualidade da água, eliminação dos focos de contaminação, redução do volume dos dejetos, mudanças no sistema de produção e utilização dos dejetos como fertilizante;
   - monitoramento: eficiência dos sistemas de manejo, armazenamento e tratamento de dejetos e indicadores ambientais para comprovar a melhoria na qualidade da água.

   Principais resultados alcançados em 2002:

-176 propriedades suinícolas vistoriadas (122 em Concórdia e 54 em Braço do Norte)para geo-referenciamento e verificação do atendimento à legislação ambiental de Santa Catarina;
- mensuração dos sistemas de armazenagem de dejetos (dimensionamento);
- identificação das instalações suinícolas em APP e situação das mesmas;
- entrevista com produtores;
- registro fotográfico da propriedade.

   Em Lageado Fragosos (35 propriedades suinícolas):

- 22 propriedades sem área própria disponível para distribuição de dejetos;
- 08 propriedades com esterqueiras sem revestimento;
- 19 propriedades com sistema de armazenagem de dejetos não atendendo ao período mínimo de retenção de 120 dias.

   Em Coruja/Bonito (18 propriedades suinícolas):

- 09 propriedades sem área própria disponível para distribuição de dejetos;
- 02 propriedades com esterqueiras sem revestimento;
- 14 propriedades com sistema de armazenagem de dejetos não atendendo ao período mínimo de retenção de 120 dias.

   Objetivos específicos

a)organizar e capacitar os suinocultores em práticas ambientalmente sustentáveis nas bacias selecionadas.
a1)promover a constituição legal de a associações de produtores nas microbacias que formam a Bacia dos Fragosos e a do Coruja/Bonito;
a2)capacitar 50 técnicos e 190 produtores em práticas ambientalmente sustentáveis nas bacias hidrográficas selecionadas.

   Resultados alcançados

- formação de duas associações de produtores: uma na Bacia dos Fragosos e outra no Coruja/Bonito;
- capacitação de técnicos (85) e produtores (92) em práticas ambientalmente sustentáveis nas bacias hidrográficas selecionadas;
- seminários de esclarecimento do projeto aos produtores (5), agroindústrias (1) técnicos (3) e público em geral (2);
- publicação de materiais didáticos.

b) reduzir o volume de dejetos através do incentivo e capacitação dos suinocultores na adoção de técnicas de manejo e instalação de equipamentos ambientalmente adequados para a criação de suínos.

   Resultados alcançados

- aplicação de questionário sobre a situação das propriedades;
- reuniões com as associações e produtores sobre as propostas de intervenções;
- visitas à propriedades;
- uso de máquinas para implantação de sistemas de drenagem de águas pluviais; - colocação de calhas;
- substituição de bebedouros;
- distribuição de 18 kits com densímetro e treinamento dos técnicos e produtores.

c)promover o uso de dejetos como fertilizante, através do incentivo à adubação orgânica e à busca de alternativas para atividades agrícolas.
c1)desenvolver um plano agronômico para a utilização dos dejetos como fertilizantes, em função de análises de solo e da cultura usada nas propriedades (utilização de imagens de satélite);
c2)otimizar o uso de culturas anuais nas propriedades, com a finalidade de aumentar o consumo de fertilizantes orgânicos;
c3)incentivar o uso de adubação orgânica em 100% das propriedades.

   Resultados alcançados

- treinamento de produtores em coleta de amostra de solos;
- coletadas e analisadas 489 amostras de solos;
- aquisição de imagem de satélite (Quicbird) das duas bacias e geração de mapas;
- aquisição de máquinas para a distribuição de dejeto líquido e sólido e doação pelo Governo do Estado/Secretaria de Agricultura;
- Início da elaboração dos Planos Individuais de Propriedade (PIP).

   Os critérios utilizados na escolha das tecnologias de manejo de dejetos foram: a localização das propriedades-proximidade da nascente; proximidade do rio; situação do armazenamento de dejetos (esterqueiras); área cultivável da propriedade e produção de dejetos- excedente de dejetos?; opinião do produtor; integradora.

d)eliminação dos focos de contaminação dos corpos d'água das Bacias selecionadas por dejetos de suínos, através da otimização e implementação de sistema de manejo: adequação de esterqueiras, aproveitamento de biogás, plataformas de compostagem, cama sobreposta, sistemas coletivos de tratamento de dejetos, bombas para fertiirrigação.

   Resultados alcançados

- visita a campo e aplicação de questionário para fornecer subsídios para as propostas de intervenção;
- elaboração dos projetos para as intervenções;
- reunião com as associações de produtores para apresentação dos projetos;
- reunião com as agroindústrias para apresentação dos projetos;
- visitas a campo para discutir individualmente com os produtores;
- adequação de esterqueiras;
- adequação de sistemas de drenagem de águas pluviais;
- em andamento, implantação de plataforma de compostagem;
- em andamento, implantação de sistema de cama sobreposta.

e)promover a recuperação de áreas de preservação permanente degradadas pela suinocultura.
e1) mapear as áreas de preservação permanente degradadas nas bacias selecionadas, incluindo faixas marginais de corpos d'água e topos de morro, e as instalações suinícolas com relação às distâncias mínimas exigidas pela legislação ambiental;
e2) incentivar a recuperação de 100% da mata ciliar das propriedades;
e3) monitorar a recuperação e o desenvolvimento da mata ciliar nas bacias selecionadas.

   Resultados alcançados

- elaboração de mapa com imagem ortorretificada da Bacia dos Fragosos (contendo áreas de preservação permanente, limites da propriedade).

f)incentivar a regularização das atividades suinícolas inseridas na área objeto do projeto.
f1)promover a regularização ambiental de 100% dos sistemas de produção suinícola em APP das bacias selecionadas;
f2)fomentar a criação de mecanismos para o ordenamento da suinocultura, prevenindo a expansão em desacordo com a legislação (divulgar o projeto e a legislação vigente, manter cadastro atualizado e realizar fiscalização).

   Resultados alcançados

- identificadas as propriedades em desacordo com a legislação;
- produção de mudas;
- implantação de unidades demonstrativas.

g)avaliar a eficiência de sistemas de tratamento de dejetos de suínos e o impacto do projeto na qualidade do ar, das águas superficiais e subterrâneas e dos solos afetados pela atividade da suinocultura nas bacias selecionadas.
g1)implantar um plano de monitoramento para avaliar a qualidade das águas das microbacias pertencentes às bacias selecionadas; implantado 06 pontos de observação;
g2)implantar um plano de avaliação do acúmulo de nutrientes e das alterações da biomassa microbiana; realizada a análise de solos das Bacias;
g3)selecionar e avaliar a eficiência de 6 sistemas de manejo de dejetos já instalados nas Bacias, orientando ao enquadramento da legislação vigente;
g4)implantar um plano de monitoramento para avaliar a qualidade do ar;
g5)analisar, de forma integrada, os dados de monitoramento do ar, das águas superficiais, subterrâneas e do solo, e divulgar os resultados das avaliações para a comunidade em geral.

h)avaliar a viabilidade econômica, ambiental e sanitária do uso de dejetos de suínos na piscicultura; realizar um estudo sobre a viabilidade econômica, ambiental e sanitária do uso de dejetos de suínos "in natura" na piscicultura. Previsto para o segundo semestre de 2003.

i)desenvolver e implementar um modelo de gestão interinstitucional para execução e acompanhamento do projeto; constituir e implementar uma Unidade de Execução do projeto;
constituir e implementar mecanismos para a gestão, monitoria, avaliação e divulgação dos resultados do projeto.

   Resultados alcançados

- desenvolvimento de um modelo de gestão do projeto, monitoria e divulgação dos resultados;
- desenvolvimento de Home Page para divulgação do PNMAII.

   Segundo o pesquisador, a execução do projeto vem sendo conduzida de forma descentralizada com a participação de diversas instituições envolvidas com a questão. No Estado de Santa Catarina participam da execução, as seguintes instituições:
Executora: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa Suínos e Aves. A Instituição é referência no País em pesquisas na produção de suínos e desenvolve diversos trabalhos e projetos voltados para o manejo, tratamento de resíduos e modelo de gestão ambiental na atividade.
Co-executores: Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e da Agricultura - SDA, Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina - EPAGRI e Fundação do Meio Ambiente - FATMA.
Parceiros: Prefeituras dos dois municípios selecionados, instituições de ensino e pesquisa, ONGs, sindicatos de produtores rurais, agroindústrias e outros.

Tânia Maria Giacomelli Scolari/ Reg.Prof.N°.4.957/MTB-RS

Produtores de SC estão confiantes nas ações do PNMA II

    Cerca de 70 propriedades em Santa Catarina receberão intervenções através do Projeto Suinocultura Santa Catarina, integrante do Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA II). Estas intervenções têm como objetivo adequar as propriedades no tratamento de dejetos suínos, possibilitando assim a melhoria da qualidade da água nas bacias do Lageado dos Fragosos, em Concórdia, e do Coruja/Bonito, em Braço de Norte, ambas em Santa Catarina. Outra intenção, de acordo com o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves e coordenador técnico do programa, Paulo Armando de Oliveira, é que os modelos de intervenção aplicados nessas propriedades sejam validados e sirvam de referência para outras regiões que também possuem problemas ambientais provocados pelo manejo inadequado dos dejetos suínos.
    As intervenções do projeto começaram ainda no mês de outubro e já atingiram cerca de 30 propriedades. Em Braço do Norte são 15 propriedades aplicando as tecnologias, desde esterqueiras novas, biogás até a criação de suíno sobre cama. "As propriedades que estão recebendo as intervenções são aquelas localizadas no início do rio. Depois iremos descendo", explicou o presidente da Associação de Produtores de Braço do Norte, Olindo Heidemann. De acordo com ele, os produtores estão bastante confiantes no programa, apesar da resistência inicial. "O pessoal estava bastante desconfiado porque tantos outros programas apareceram e nunca deram em nada. Agora temos fé de que dará certo, afinal já estamos percebendo as ações acontecerem", explicou Olindo.
    O PNMA II significa para os produtores um futuro mais promissor, pois ele representa um retorno do governo no que se refere à exportação dos produtos gerados pela suinocultura. "Estamos investindo num programa que garante a recuperação do meio ambiente e que vai gerar um produto diferenciado no mercado", afirmou Olindo. Outro ponto positivo do programa para os produtores é a oportunidade que eles estão tendo para melhorar a propriedade. "A esterqueira é a intervenção mais aceita porque era a vontade de todos, que só não a fizeram por falta de recursos. Esta sempre foi a preocupação de todos nós", disse.
    Para o produtor José Heidemann, também de Braço do Norte, o mais importante é o acompanhamento técnico das intervenções. "O envolvimento dos técnicos depois de implantada as tecnologias é muito importante para nós produtores, pois precisamos do acompanhamento de pessoas especializadas", comentou José, que está instalando o sistema de criação de suíno sobre cama para crescimento e terminação com capacidade para 420 suínos e uma esterqueira que servirá para alojar os dejetos suínos de duas propriedades.
    Alguns produtores de Braço do Norte consideram o PNMA II um programa pioneiro, "pois relaciona a recuperação do meio ambiente com a manutenção da atividade suinícola", explicou o produtor Sidnei Werner Voss. Ele está preparando o terreno para instalar o Biodigestor, que considera uma tecnologia de retorno ecológico e financeiro. "Optei pelo biogás porque acredito que ele é uma tecnologia simples, sem custo e que propicia um cuidado grande com o meio ambiente", disse Sidnei.
    Com cerca de 360 matrizes, o que representa um plantel de quase 900 leitões, o produtor Nivaldo Ricken, está confiante no programa e já tem planos para o futuro. "Agora estou melhorando a esterqueira e mais tarde quero implantar o biogás, que é uma tecnologia que tenho muito interesse", comentou ele, que assim como os demais também teve dúvidas no início da implantação do programa.
    Na região da Bacia de Fragosos as expectativas são muito parecidas em relação ao programa. "Hoje as coisas estão mais claras para todos nós e então estamos mais confiantes em relação aos resultados do programa", afirmou o presidente da Associação de Produtores de Concórdia, Artanir Vargas. A associação já conta com cerca de 178 sócios. "Este número aumentará porque muitos produtores estão me procurando para participar. O programa ganhou a confiança deles", comentou Artanir.

    Modelo de gestão
    Para o responsável pela coordenação do PNMA no Sul do país, o técnico do Ministério do Meio Ambiente Alexandre Ferrazoli Camargo, a execução do projeto em Santa Catarina está servindo de exemplo para os demais Estados, desde a maneira como ele está sendo gerido até o comprometimento com o cronograma. "Podemos dizer que o cronograma acertado está sendo seguido e muitas ações já estão em fase adiantada, além servirem como modelo de gestão". O PNMA está sendo implantado também nos Estados do Rio Grande do Sul e Paraná.
    Alexandre frisou a importância da integração com os parceiros e apontou como ponto diferenciado no projeto a formação das associações de produtores. "Acredito que o associativismo deve ser a próxima meta do projeto, pois é através do envolvimento dos associados que muitas ações serão viabilizadas.", comentou ele. Outra observação importante feita pelo técnico do Ministério do Meio Ambiente é sobre o envolvimento dos ministérios neste tipo de projeto. "Costumamos dizer que este tipo de projeto sempre foi de responsabilidade do Ministério da Agricultura, já que estamos trabalhando a questão da suinocultura, mas sabemos muito bem que precisamos trabalhar juntos. Não há mais espaço para trabalharmos isoladamente, ou seja, um na frente e outro atrás. É preciso trabalharmos lado a lado", finalizou Alexandre. O único questionamento do técnico é em relação às agroindústrias. "O que questiono é 'qual é a responsabilidade da agroindústria no passivo ambiental?'".

    Muitos acertos
    Uma fase de ajustes. Assim o pesquisador Paulo Armando define o trabalho desenvolvido desde a implantação do PNMA II. "Esta fase foi de ajustes em diversos sentidos, mas especialmente na questão da gestão do projeto", comentou ele. A organização das entidades e unidades participantes do projeto precisou ser muito bem definida para que as ações pudessem começar a acontecer e isto, de acordo com o pesquisador e coordenador técnico do programa, foi um dos pontos mais difíceis. A resistência de alguns produtores também dificultou a implantação do programa, o que hoje já está superado. "Hoje o programa tem credibilidade entre os produtores porque eles receberam muita informação e treinamento", disse Paulo. "De uma maneira geral, o PNMA está indo muito bem".
    Desde abril, quando o PNMA II foi assinado oficialmente, várias ações aconteceram. Treinamentos e reuniões foram imprescindíveis para que o programa ganhasse a credibilidade da comunidade em geral. "Tanto os produtores quanto os técnicos que trabalharão diretamente no campo ou na área administrativa receberam cursos, treinamentos e participaram de reuniões para disseminação de informações", afirmou Paulo Armando.

    Resultados
    Um dos primeiros resultados do programa foi o diagnóstico completo das duas bacias hidrográficas, a de Fragosos e do Corija/Bonito, que envolveu todos os produtores da região. Através deste trabalho criou-se as associações de produtores, uma em Concórdia e outra em Braço do Norte, que irão atuar na organização e discussão das intervenções. Ou seja, todas as intervenções que serão implantadas nas propriedades serão feitas através da Associação.
    Os planos individuais de cada propriedade foi elaborado com base em fotografia área das bacias, que permitiu analisar em detalhe os pontos críticos a serem trabalhados. A recuperação da mata ciliar nas margens dos rios da região atingida pelo programa também já iniciou, bem como as intervenções para eliminar os focos de contaminação por dejetos e o monitoramento das águas dos rios. O programa também já aponta como resultado o levantamento e diagnóstico de solos de todas as propriedades das regiões das bacias.

    O que é?
    O Programa Nacional de Meio Ambiente II, é um projeto do Ministério do Meio Ambiente, com financiamento do Banco Mundial, coordenação da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Santa Catarina e executado pela Embrapa Suínos e Aves. A Secretaria Estadual da Agricultura, a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e a Fundação de Meio Ambiente (Fatma) são co-executores do PNMA II.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Troca de informações foi objetivo da reunião de avaliação do projeto "Suinocultura Santa Catarina" (PNMA II)

    Muita troca de informação e discussão marcaram a segunda reunião da Comissão de Acompanhamento do Projeto Suinocultura Santa Catarina, parte integrante de um dos convênios do Programa Nacional de Meio Ambiente II - PNMA II. A reunião aconteceu nos dias 26 e 27 de novembro, em Gravatal - SC, e reuniu cerca de 60 pessoas entre coordenadores, executores e parceiros do projeto.
    De acordo com a coordenadora do projeto no Estado, Darci Oliveira de Souza, a reunião foi importante para nivelar as informações entre todos os envolvidos. "Foi um momento de esclarecermos o que está sendo feito, o que está programado e o que precisamos ajustar para que tudo aconteça", comentou Darci. Além da apresentação das ações realizadas nestes últimos três meses, os participantes tomaram decisões relativas a compra de materiais como uniformes a serem usados pelo pessoal que trabalha diretamente nas intervenções de campo e a logomarca que será usada para identificar o projeto.
    Para o responsável pela coordenação do PNMA no sul do país, o técnico do Ministério do Meio Ambiente Alexandre Ferrazoli Camargo, estas reuniões são os fóruns ideais para integrar os envolvidos, que podem transmitir todas as informações sobre as ações sob sua coordenação e tem a oportunidade de receber sugestões e comentários.
    Alexandre analisou também o andamento dos trabalhos no Estado. "Podemos dizer que o cronograma acertado está sendo seguido e muitas ações já estão em fase adiantada". Ele também comentou que o projeto em Santa Catarina está sendo visto pelo Ministério do Meio Ambiente como modelo pela forma de gestão. "Santa Catarina internalizou muito bem o projeto que está sendo usado como referência para os demais estados brasileiros, especialmente pela maneira como está sendo conduzido." O PNMA está sendo implantado também nos Estados do Rio Grande do Sul e Paraná. No RS, ele foi assinado em julho deste ano.
    Alexandre frisou a importância da integração com os parceiros e apontou como ponto diferenciado no projeto a formação das associações de produtores. "Acredito que o associativismo deve ser a próxima meta do projeto, pois é através do envolvimento dos associados que muitas ações serão viabilizadas.", comentou ele. Outra observação importante feita pelo técnico do Ministério do Meio Ambiente é sobre o envolvimento dos Ministério neste tipo de projeto. "Costumamos dizer que este tipo de projeto sempre foi de responsabilidade do Ministério da Agricultura, já que estamos trabalhando a questão da suinocultura, mas sabemos muito bem que precisamos trabalhar juntos. Não há mais espaço para trabalharmos isoladamente, ou seja, um na frente e outro atrás. É preciso trabalharmos lado a lado", finalizou Alexandre.
    O Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA-II) é um projeto do Ministério do Meio Ambiente, com financiamento do Banco Mundial, coordenação da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Santa Catarina e execução da Embrapa Suínos e Aves, órgão de pesquisa vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A Secretaria Estadual da Agricultura, a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e a Fundação de Meio Ambiente (Fatma) são co-executores.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Esterqueiras serão o primeiro alvo do PNMA

    O Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA) vai intervir a partir da semana que vem em 70 propriedades rurais que produzem suínos em Santa Catarina. A primeira medida será adequar as esterqueiras utilizadas pelos produtores ao que diz a legislação ambiental do Estado. Para atender a lei, os suinocultores receberão pela primeira vez dinheiro do governo sem a necessidade de devolução. Eles só precisarão dar uma contrapartida, geralmente em forma de mão-de-obra, e assinar um contrato em que se comprometem a não mais poluir o meio ambiente.
    O PNMA é um programa financiado pelo Banco Mundial e viabilizado pelo Ministério do Meio Ambiente. Em Santa Catarina, a Secretaria Estadual do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente determinou que os recursos do programa deveriam ser investidos num modelo de intervenção de sucesso para a questão dos dejetos suínos. Os técnicos da Embrapa Suínos e Aves, Secretaria Estadual da Agricultura e Epagri, que executam o PNMA, decidiram que Concórdia e Braço do Norte, dois municípios que concentram a produção de suínos no Estado, deveriam sediar os modelos de intervenção.
    Desde o início do ano estão sendo realizados levantamentos nas cerca de 300 propriedades rurais situadas nas bacias dos rios Fragosos, em Concórdia, e Coruja/Bonito, em Braço do Norte. Nos dois rios, os dejetos suínos são os principais responsáveis pela poluição. "Depois de analisarmos como ocorria a poluição, iniciaremos agora as ações corretivas. Nosso primeiro alvo são as esterqueiras", antecipou o pesquisador Paulo Armando de Oliveira, da Embrapa, coordenador técnico do PNMA.
    Quando estão em situação irregular, as esterqueiras servem apenas como depósito temporário do dejeto. Por ação deliberada do produtor ou por acidente, as esterqueiras acabam sendo a principal fonte de poluição dos rios no interior dos municípios produtores de suínos. Depois que as esterqueiras forem regularizadas, inicia a construção de instalações para criação de suínos sobre cama, compostagem de dejetos e aproveitamento de biogás. "Cada propriedade tem um plano de intervenção, que leva em consideração toda a situação do produtor. Não adotaremos a mesma solução para todos", revelou Paulo Armando.

Jean Carlos Porto Vilas Boas Souza/Reg.Prof.Nº.MTb-SC-00717

[topo]

Intervenções do Projeto Suinocultura Santa Catarina iniciam neste mês

    As intervenções, ou as ações de campo, do Projeto Suinocultura Santa Catarina, integrante do Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA II), iniciam neste mês de outubro. De acordo com o pesquisador Paulo Armando de Oliveira, da Embrapa Suínos e Aves, empresa ligada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, foi concluída em setembro a fase dos levantamentos das propriedades e a elaboração dos projetos.
    "Estávamos na fase de licitação para a aquisição dos materiais que serão utilizados para implantar as intervenções nas propriedades. Agora vamos começar o trabalho de campo", comentou Paulo Armando. As intervenções acontecerão em 70 propriedades, sendo que 35 estão localizadas na região da bacia do Lageado dos Fragosos, no município de Concórdia, e as demais na bacia Coruja/Bonito, no município de Braço do Norte, ambos em Santa Catarina. O objetivo principal das ações de campo é melhorar a qualidade da água nestas duas bacias.
    Todo o trabalho será acompanhado por uma associação de produtores e a intervenção proposta pelo programa será discutida com os produtores dentro da associação. A intenção é que os modelos de intervenção aplicados nessas propriedades sejam validados e sirvam de referência para outras regiões que também possuem problemas ambientais provocados pelo manejo inadequado dos dejetos suínos.
    O Programa Nacional de Meio Ambiente II, é um projeto do Ministério do Meio Ambiente, com financiamento do Banco Mundial, coordenação da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Santa Catarina e executado pela Embrapa Suínos e Aves. A Secretaria Estadual da Agricultura, a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e a Fundação de Meio Ambiente (Fatma) são co-executores do PNMA II.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Ações do projeto "Suinocultura Santa Catarina" serão avaliadas (PNMA II)

Em seqüência aos trabalhos do Programa Nacional de Meio Ambiente II - PNMA II, acontece de 05 a 07 de agosto, em Treze Tílias -SC, a primeira reunião da Comissão de Acompanhamento do Projeto. O encontro avaliará as ações já desenvolvidas no projeto "Suinocultura Santa Catarina", parte integrante de um dos convênios do programa.
Outro objetivo do encontro é a revisão do cronograma FASE I, além da programação financeira. A programação do encontro prevê apresentação de cada ação desenvolvida neste primeiro momento. No primeiro dia, após a abertura será mostrada a síntese das ações do projeto FASE I e a programação do período pelo pesquisador da Embrapa Suínos e Aves Paulo Armando de Oliveira, coordenador técnico do PNMA II. Para este dia ainda está prevista a apresentação do manual sobre procedimentos administrativos/financeiros pelo responsável da área, Dirceu Benelli, e pela responsável por licitações, Jane Ugolini Nichelle, técnicos da Embrapa Suínos e Aves.
No segundo dia os coordenadores de grupo apresentarão as ações previstas, as dificuldades encontradas para a execução e a reavaliação do plano de trabalho. São nove grupos, assim distribuídos:
Grupo A1: Formação das associações - Leonir Pirola, Epagri
Grupo A2: Capacitação de técnicos e produtores - Nelso Figueiró, Epagri
Grupo B: Redução de volumes de dejetos - Adroaldo Pagani da Silva - SDA
Grupo C: Promoção do uso de dejetos como fertilizante - PIP, mapeamento - Rodney Moss, Unoesc
Grupo D: Eliminação dos focos de contaminação - Paulo A. de Oliveira, Embrapa Suínos e Aves
Grupo E: Recuperação das APP´S - Simone A. Melo, Embrapa Suínos e Aves
Grupo F: Regularização Ambiental - Wilson Luiz Carneiro, FATMA
Grupo G: Monitoramento - Júlio César Leão, Epagri
Grupo I: Avaliação da percepção da população sobre a qualidade de vida - Gisele Mara Hadlich, Unisul
No encerramento do encontro será feita a programação financeira de outubro a dezembro e a revisão do cronograma detalhado da FASE I.
O Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA-II) é um projeto do Ministério do Meio Ambiente, com financiamento do Banco Mundial, coordenação da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Santa Catarina e execução da Embrapa Suínos e Aves, órgão de pesquisa vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A Secretaria Estadual da Agricultura, a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e a Fundação de Meio Ambiente (Fatma) são co-executores.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

PNMA-II possibilitará a melhoria da qualidade da água degradada pela suinocultura

Melhorar a qualidade da água é o principal objetivo do projeto "Controle da degradação ambiental decorrente da suinocultura" nas bacias do Lageado dos Fragosos, no município de Concórdia, e Coruja/Bonito, no município de Braço do Norte, em Santa Catarina. O projeto é parte integrante do Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA-II), um projeto do Ministério do Meio Ambiente, com financiamento do Banco Mundial, coordenação da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Santa Catarina e execução da Embrapa Suínos e Aves, órgão de pesquisa vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A Secretaria Estadual da Agricultura, a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e a Fundação de Meio Ambiente (Fatma) são co-executores.
A suinocultura tem subsistido como atividade sócio-econômica através da obtenção de renda mínima das operações agrícolas da propriedade rural. Adicionalmente, a concentração espacial da atividade tem se constituído em elemento negativo no que se refere à disposição dos dejetos causando comprometimento do ativo "água", saturação do solo e degradação da paisagem. A sustentabilidade da atividade suinícola depende de intervenções de gestão, tecnológicas de manejo e tratamento de dejetos para que seja possível a regressão deste quadro de degradação ambiental.
Para a implantação do projeto foram selecionadas áreas típicas de produção de suínos, com severo comprometimento dos recursos naturais. Em Concórdia e Braço do Norte foi realizado pela Embrapa Suínos e Aves e Epagri um amplo estudo sobre o impacto da poluição por dejetos suínos nas bacias hidrográficas dos rios Fragosos e Coruja/Bonito. Essas bacias foram escolhidas também pela alta concentração de produtores de suínos. A disponibilidade de informações e diagnósticos prévios, necessários ao detalhamento do projeto, foram decisivos para definir como os recursos do programa serão investidos em Santa Catarina. Também foram identificadas na elaboração do projeto parcerias constituídas de instituições governamentais e privadas, de ensino e pesquisa, e ONG's com conhecimento e tradicional atuação no setor, contemplando todas as interfaces para o bom trâmite das ações a serem implementadas.
A proposta do PNMA-II é concentrar investimentos apenas nestas duas sub-bacias hidrográficas para gerar modelos de intervenção de sucesso. "Depois, esses modelos validados servirão de referência para outras regiões que também tenham problemas ambientais provocados pelo manejo inadequado dos dejetos suínos", explica o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Paulo Armando de Oliveira, coordenador técnico do PNMA-II em Santa Catarina.
Uma das novidades do PNMA-II é que as ações do programa serão acompanhadas por uma associação de produtores. Toda a intervenção proposta pelo programa será discutida com os produtores dentro da associação. De acordo com o chefe-geral da Embrapa Suínos e Aves, Dirceu Talamini, o envolvimento dos produtores é uma das condições básicas para o sucesso do PNMA-II.

Capacitação
O projeto irá atuar também na organização e capacitação dos produtores de suínos em práticas ambientais sustentáveis. Através adoção de técnicas de manejo e instalação de equipamentos ambientalmente adequados para a criação de suínos, os suinocultores estarão reduzindo o volume de dejetos na propriedade e poderão aproveitar os dejetos como fertilizante através do incentivo à adubação orgânica.
O primeiro curso aconteceu em final de junho e capacitou os técnicos que trabalham com os produtores das duas bacias envolvidas pelo projeto. "Este treinamento preparou os técnicos para as intervenções tecnológicas previstas no PNMA", explicou o pesquisador Paulo Armando. O curso foi ministrado por técnicos da Embrapa Suínos e Aves, Epagri, CIRAM, Fatma, Ministério Público Estadual e Polícia Ambiental. Os temas abordaram deste a legislação até as práticas ambientalmente sustentáveis de trabalho. Somente os técnicos. O PNMA vai beneficiar 190 propriedades produtoras de suínos, 120 em Concórdia e 70 em Braço do Norte.
Depois dos técnicos, foi a vez dos produtores participarem do Curso de Capacitação em Práticas Ambientalmente Sustentáveis. O curso foi realizado em Concórdia - SC, de 9 a 11 de julho (1ª turma) e de 16 a 18 de julho (2ª turma), e em Braço do Norte - SC de 30 de julho a 01 de agosto.

Desafios
O outro desafio que o projeto está apontando é o de eliminar os focos de contaminação dos corpos d'água das bacias selecionadas por dejetos de suínos, através da otimização e implementação de sistemas de manejo, armazenamento e tratamento de dejetos e resíduos orgânicos de suínos, que contemplem a agregação de valor aos produtos e subprodutos da atividade suinícola, com o devido licenciamento ambiental.
Além disso tudo, o projeto prevê a recuperação de áreas de preservação permanente degradadas pela suinocultura e o incentivo a regularização das atividades suinícolas inseridas nas áreas das bacias. De acordo com o pesquisador Paulo Armando de Oliveira, da Embrapa Suínos e Aves e coordenador técnico do programa, a avaliação da eficiência de sistemas de tratamento de dejetos de suínos e o impacto do projeto na qualidade do ar, das águas superficiais e subterrâneas e dos solos afetados pela atividade da suinocultura nas bacias selecionadas também entram como objetivos do projetos.
Finalizando os objetivos propostos pelo projeto estão ainda a avaliação da viabilidade econômica, ambiental e sanitária do uso de dejetos de suínos na piscicultura e o desenvolvimento e implantação de um modelo de gestão interinstitucional para execução e acompanhamento do projeto.

Comprometimento
O Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA II) tem instituições parceiras para a execução das ações. Todas elas já assinaram o termo de cooperação técnica com a Embrapa Suínos e Aves, que é a gestora do programa em Santa Catarina. O primeiro evento aconteceu em Braço do Norte, no dia 09 de junho. As demais parceiras assinaram o termo em solenidade realizada em Concórdia - SC, no auditório da Embrapa Suínos e Aves, no dia 19 de junho. Cerca de 22 entidades participam como parceiras, são elas: Cooperativa de Produção e Consumo Concórdia Ltda. (COPÉRDIA), Sadia, Escola Agrotécnica Federal de Concórdia (EAFC), Chapecó Alimentos, Universidade do Contestado (UnC), Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc) e Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), 2º Coordenadoria Regional de Educação (2º CRE/SED), Associação Catarinense dos Criadores de Bovinos (ACCB Núcleo Regional Sul), Associação dos Criadores de Suínos de Santa Catarina (ACCS Núcleo Regional Sul), Centro Integrado de Ciências da Região Sul de Santa Catarina (CINCRES/SC), Chapecó Cia Industrial de Alimentos, Colégio Espaço Ltda, Grupo Ecológico Ativista Sul Catarinense (GEASC), Pousada Cascata das Corujas, Prefeitura Municipal de Braço do Norte, Prefeitura Municipal de Concórdia através da Fundação Municipal de Defesa do Meio Ambiente (FUMDEMA), Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Braço do Norte, Sindicato Rural de Braço do Norte e Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL)

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Técnicos recebem treinamento através do PNMA-II

Os técnicos das entidades participantes do Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA-II)participarão do Curso de Capacitação em Práticas Ambientalmente Sustentáveis. O curso será realizado em Concórdia - SC, nos dias 25 e 26 de junho, e em Braço do Norte - SC nos dias 27 e 28. O objetivo do treinamento é capacitar os técnicos para trabalharem nas bacias do Lageado dos Fragosos, em Concórdia, e do Rio Coruja/Bonito, em Braço do Norte. "Este treinamento irá preparar os técnicos para as intervenções tecnológicas previstas no PNMA", explicou o pesquisador Paulo Armando de Oliveira, da Embrapa Suínos e Aves.
O curso será ministrado por técnicos da Embrapa Suínos e Aves, Epagri, CIRAM, Fatma, Ministério Público Estadual e Polícia Ambiental. Os temas previstos para este curso abrangem deste a legislação até as práticas ambientalmente sustentáveis de trabalho. Somente os técnicos que trabalham com os produtores das duas bacias envolvidas pelo projeto poderão participar dos cursos. O PNMA vai beneficiar 190 propriedades produtoras de suínos, 120 em Concórdia e 70 em Braço do Norte.
O Programa Nacional de Meio Ambiente II é um projeto do Ministério do Meio Ambiente, com financiamento do Banco Mundial, coordenação da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Santa Catarina e executado pela Embrapa Suínos e Aves, órgão de pesquisa vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A Secretaria Estadual da Agricultura, a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e a Fundação de Meio Ambiente (Fatma) são co-executores.

Monalisa Leal Pereira/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-01139

[topo]

Instituições assinam termos de cooperação técnica do PNMA-II

As instituições que participarão da execução de ações do Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA-II) assinam nesta quarta-feira em Concórdia um termo de cooperação técnica com a Embrapa Suínos e Aves, gestora do programa em Santa Catarina. Assinarão os termos a Copérdia, Sadia, Escola Agrotécnica Federal de Concórdia (Eafc), Chapecó Alimentos, Fundação Municipal de Defesa do Meio Ambiente de Concórdia (Fundema), Universidade do Contestado (UnC), Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc) e Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc). A solenidade inicia às 11h da manhã, no auditório da Embrapa Suínos e Aves. O Programa Nacional de Meio Ambiente II (PNMA-II) é um projeto do Ministério do Meio Ambiente, com financiamento do Banco Mundial, coordenação da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Santa Catarina e executado pela Embrapa Suínos e Aves, órgão de pesquisa vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A Secretaria Estadual da Agricultura, a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e a Fundação de Meio Ambiente (Fatma) são co-executores.
A proposta do PNMA-II é concentrar investimentos apenas em duas sub-bacias hidrográficas para gerar modelos de intervenção de sucesso. "Depois, esses modelos validados servirão de referência para outras regiões que também tenham problemas ambientais provocados pelo manejo inadequado dos dejetos suínos", explica o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Paulo Armando de Oliveira, coordenador técnico do PNMA-II em Santa Catarina. Os municípios que receberão os investimentos do PNMA-II são Concórdia e Braço do Norte.
Essas áreas foram selecionadas por apresentarem grandes rebanhos suínos e problemas ambientais graves. Além disso, em Concórdia e Braço do Norte foi realizado pela Embrapa Suínos e Aves e Epagri um amplo estudo sobre o impacto da poluição por dejetos suínos nas bacias hidrográficas dos rios Fragosos e Coruja/Bonito. A disponibilidade de informações e diagnósticos prévios, necessários ao detalhamento do projeto, foram decisivos para definir como os recursos do programa serão investidos em Santa Catarina.
Está sendo realizado neste mês um levantamento detalhado de todas as propriedades que fazem parte das duas sub-bacias hidrográficas e o treinamento de produtores e técnicos. O levantamento permitirá que se aponte as soluções tecnológicas que serão empregadas em cada propriedade. Já os treinamentos farão com que os produtores saibam manejar e utilizar adequadamente os dejetos suínos.
Uma das novidades do PNMA-II é que as ações do programa serão acompanhadas por uma associação de produtores. Toda a intervenção proposta pelo programa será discutida com os produtores dentro da associação. De acordo com o chefe-geral da Embrapa Suínos e Aves, Dirceu Talamini, o envolvimento dos produtores é uma das condições básicas para o sucesso do PNMA-II.
Os resultados que o PNMA-II espera alcançar dentro das propriedades rurais são a redução do volume de dejetos líquidos produzidos nas sub-bacias hidrográficas, o aumento da capacidade de eliminação de poluentes dos tratamentos de dejetos, a agregação de valor aos dejetos e a implantação de sistemas de tratamento nas propriedades.

Jean Carlos Porto Vilas Boas Souza (MTb-SC-00717)

[topo]

PNMA2 chega até os produtores de suínos

As reuniões com os produtores de suínos que serão beneficiados pelo Programa Nacional de Meio Ambiente 2 (PNMA2) começam no dia 29 de abril, às 18h30m, no interior de Concórdia (SC). O PNMA2 é um projeto do Ministério do Meio Ambiente, com financiamento do Banco Mundial, coordenação da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Santa Catarina e executado pela Embrapa Suínos e Aves, órgão de pesquisa vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Até 2004, o programa investirá cerca de R$ 10,5 milhões em duas bacias hidrográficas do Estado.
A proposta do PNMA2 é concentrar investimentos em dois locais apenas para gerar modelos de intervenção de sucesso. "Depois, esses modelos validados servirão de referência para outras regiões que também tenham problemas ambientais provocados pelo manejo inadequado dos dejetos suínos", explica o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Paulo Armando de Oliveira, executor do PNMA2 em Santa Catarina. Os municípios que receberão os investimentos do PNMA2 são Concórdia e Braço do Norte. Essas áreas foram selecionadas por apresentarem grandes rebanhos suínos e problemas ambientais graves. Além disso, em Concórdia e Braço do Norte foi realizado pela Embrapa Suínos e Aves e Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) um amplo estudo sobre o impacto da poluição por dejetos suínos nas bacias hidrográficas dos rios Fragosos e Coruja/Bonito. A disponibilidade de informações e diagnósticos prévios, necessários ao detalhamento do projeto, foram decisivos para definir como os recursos do programa serão investidos em Santa Catarina.
A participação dos suinocultores é considerada fundamental para o sucesso do projeto. "A implementação de qualquer intervenção tecnológica prevista só será executada com a aprovação dentro das associações que serão formadas em Concórdia e Braço do Norte", antecipa Paulo Armando. A reunião do dia 29 de abril em Concórdia servirá para explicar aos produtores como o programa vai funcionar e quais os benefícios que eles receberão. No dia seguinte, a mesma reunião acontecerá em Braço do Norte. Cerca de 350 produtores de suínos catarinenses devem ser beneficiados pelo PNMA2.
A execução do projeto será feita de forma descentralizada com a participação de diversas instituições envolvidas com a questão. No Estado de Santa Catarina participam da execução do projeto Embrapa Suínos e Aves, Secretaria Estadual da Agricultura, Epagri e Fundação do Meio Ambiente (Fatma). As prefeituras de Concórdia e Braço do Norte, instituições de ensino e pesquisa, ONGs, sindicatos de produtores rurais, frigoríficos atuarão como parceiros no projeto.

Jean Carlos Porto Vilas Boas Souza (MTb-SC-00717)

[topo]

Embrapa vai gerenciar o PNMA2

A Embrapa Suínos e Aves vai gerenciar o Programa Nacional de Meio Ambiente (PNMA2) em Santa Catarina. O convênio foi assinado não dia 27 de março em Florianópolis com o Ministério do Meio Ambiente e Secretaria Estadual do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente. O chefe-geral da Unidade, Dirceu Talamini, e o pesquisador Paulo Armando de Oliveira representaram a Unidade durante a assinatura do convênio. A partir de agora, a Embrapa Suínos e Aves vai gerenciar a aplicação dos recursos do PNMA2 em Concórdia e Braço do Norte, dois municípios que receberão modelos de intervenção na questão dos dejetos suínos. Os modelos de intervenção foram definidos após um plano elaborado nos últimos meses com participação de técnicos de diversos órgãos de pesquisa, extensão, agroindústrias e produtores. As tecnologias que serão aplicadas nos dois pontos de intervenção envolverão o uso de biodigestores, tratamento de dejetos líquidos e sistemas alternativos, como a criação de suínos sobre cama. A intenção do Ministério do Meio Ambiente com a concentração de recursos em duas bacias hidrográficas é gerar intervenções de sucesso na questão dos dejetos suínos, que depois poderão ser usadas como modelo em outras regiões do país.

Jean Carlos Porto Vilas Boas Souza/ Reg.Prof.Nº.MTb-SC-00717

[topo]
Comentários e sugestões a respeito dessa página: sac@cnpsa.embrapa.br
Última modificação: 30/08/2004
© Copyright Embrapa Suínos e Aves