Embrapa Suínos e Aves
Sistema de Produção, 1
ISSN 1678-8850 Versão Eletrônica
Jul./2003
Produção Suínos
Autores

Início

Importância Econômica
Proteção Ambiental
Planejamento da Produção
Construções
Material Genético
Nutrição
Biossegurança
Vacinação
Limpeza e Desinfecção
Monitorias Sanitárias
Tratamentos
Fatores de Risco
Manejo da Produção
Manejo Pré-abate
Manejo de Dejetos
Gerenciamento
Mercado e Comercialização
Referências Bibliográficas
Glossário


Expediente

Fatores de Risco


Na suinocultura moderna, as doenças que afetam os animais podem ser alocadas em dois grandes grupos:

1) Doenças epizoóticas, causadas por agentes infecciosos específicos que se caracterizam por apresentar alta contagiosidade e altas taxas de morbidade e mortalidade;
2) Doenças multifatoriais de etiologia complexa, em que um ou mais agentes infecciosos exercem seu efeito patogênico em animais ou rebanhos submetidos à situações de risco (doenças de rebanho).

Essas doenças tendem a permanecer nos rebanhos de forma enzoótica, afetando muitos animais, com baixa taxa de mortalidade, mas com impacto econômico acentuado, devido a seu efeito negativo sobre os índices produtivos do rebanho.
    
Estudos epidemiológicos têm identificado fatores de risco que favorecem a ocorrência de doenças multifatoriais nas diferentes fases de criação dos suínos. O conhecimento desses fatores de risco é importante no estabelecimento de medidas para evitá-los, ou corrigi-los. Fator de risco representa uma característica do indivíduo ou do seu ambiente que, quando presente, aumenta a probabilidade de aparecimento e/ou agravamento de doenças. A seguir, serão relacionadas as principais doenças complexas que ocorrem, por fase de produção, cujo controle envolve a identificação e correção dos fatores de risco associados.

 

Fase de maternidade
Fase de creche
Fase de crescimento e terminação
Fase de reprodução

 

Fase de maternidade


     O aspecto negativo mais importante na produção de suínos na fase de maternidade é a mortalidade de leitões, cujas causas principais são o esmagamento e a inanição. Além disso, as diarréias, principalmente a coccidiose e colibacilose neonatal, são importantes por prejudicar o desenvolvimento dos leitões e, às vezes, também, provocar mortes como é o caso da colibacilose. Os principais fatores a serem considerados para reduzir, ou evitar a ocorrência desses problemas podem ser encontrados na Referência n° 23.

 

Fase de creche


Nessa fase, as diarréias, a doença do edema e a infecção por estreptococos são os principais problemas. Os fatores de risco que favorecem a ocorrência dessas patologias foram identificados e podem ser corrigidos, conforme descrito na Referência n° 24.

O vício de sucção é uma alteração psíquica que leva os leitões ao hábito de sugar o umbigo, a vulva ou a prega das orelhas logo após o desmame, sendo considerada uma doença multifatorial. Sua ocorrência causa prejuízo para o desempenho dos animais, podendo ocorrer em alguns rebanhos, onde os leitões são submetidos à situações de risco. Os fatores de risco associados à ocorrência desse vício estão descritos na Referência n° 04.

 

Fase de crescimento e terminação

Os problemas sanitários mais importantes nessas fases são as doenças respiratórias (rinite atrófica e pneumonias) e as infecções por estreptococos, porém as diarréias como a ileíte e as colites também merecem atenção. Para prevenir essas doenças, deve-se evitar os fatores de risco já identificados e caracterizados na Referência n° 13.

Outro problema sanitário, observado no abate, considerado de origem multifatorial, é a linfadenite granulomatosa. Na prevenção e controle dessa infecção é importante evitar, ou corrigir os fatores de risco que podem ocorrer tanto na fase de creche (Referência n° 27) como na fase de crescimento (Referência n° 06).

 

Fase de reprodução

Os principais problemas sanitários que afetam a reprodução da fêmea suína são as infecções inespecíficas do aparelho genital e urinário e a parvovirose. Os fatores importantes a serem observados na prevenção dessas infecções, e no aumento do tamanho das leitegadas, podem ser encontrados na Referência n° 02.
 
Um dos problemas que interfere diretamente no desempenho e sobrevivência dos leitões recém-nascidos é a saúde da porca. Os principais fatores de risco identificados que favorecem a ocorrência de problemas com a porca no parto e puerpério estão relacionados na Referência n° 03.

 

 

 

 

Copyright © 2003, Embrapa